segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Fósseis e a Macro evolução

As definições de Macro e Micro Evolução foram apresentadas no post anterior. Também já esclareci os 3 pontos de vista cristãos em relação às nossas origens em contraposição ao evolucionismo ateísta  no post Evolucionismo e criacionismo.. Como eu havia prometido, hoje quero falar sobre o registro fóssil e Macro Evolução.

Os evolucionistas, tanto os teístas como os ateístas, apontam para o registro fóssil como evidência de que houve Macro evolução. Os métodos de datação por radioisótopos apontam idades remotas destes seres, e foi a partir do cruzamento entre datas estimadas e uma classificação por características biológicas progressivamente mais complexas na escala do tempo que Darwin e seus sucessores propuseram a Teoria da Evolução das Espécies.
Quero deixar claro que meu objetivo neste post é discutir apenas evidências científicas atuais e não questões de fé. Crenças todos nós temos, e deve haver respeito em relação a isso.


No atual estágio da ciência não existem razões suficientemente embasadas para questionar os métodos de datação por radioisótopos. Portanto, os criacionistas clássicos que defendem uma Terra Jovem com cerca de 6.000 anos de existência não possuem evidências científicas sólidas de seu argumento (se alguém tiver, me mande que eu examinarei com o maior prazer). Antes que os céticos se deliciem com este meu comentário, quero dizer que há sérios problemas com o ponto de vista deles também. Eu poderia falar de vários problemas da Teoria da Evolução com relação à Fisiologia, à Genética, à Psicologia, à Física, etc, mas não quero perder o foco deste post: quero falar de fósseis. Então selecionei apenas um problema importante da Teoria da Evolução das Espécies: a explosão do período Cambriano:
Para aqueles que gostam de uma leitura um pouco mais técnica e equilibrada sobre o assunto, sugiro o link: Refutação ao Darwinismo. Há livros que detalham melhor este assunto, mas postei um link simples para facilitar a vida de quem não quer gastar muito tempo pesquisando sobre o tema. Em suma, verifica-se que:
Há um “salto” intrigante na quantidade e complexidade dos fósseis no período Cambriano. O intervalo de tempo é curto demais para que tantas espécies tenham surgindo, mesmo admitindo como corretos os modelos adotados por Evolucionistas teístas e ateístas. Pior que isso: se a Teoria da Evolução das Espécies estivesse correta, deveria haver abundantes fósseis intermediários, mais antigos que estes fósseis achados e que fizessem os “elos evolutivos” que comprovam os ancestrais comuns. Fósseis anteriores são raros e muitos biólogos questionam sua classificação como “ancestrais” dos fósseis do período Cambriano! Teorias alternativas foram apresentadas, mas são ainda mais inconsistentes cientificamente (veja o link que indiquei).
Se a Macro evolução é obra do acaso, o ramo da ciência que trata de fenômenos aleatórios é a Estatística. Sem falar das probabilidades infimamente pequenas associados aos processos macro evolutivos, a explosão na diversidade de espécies no período Cambriano não se justifica estatisticamente como uma evento aleatório (leia-se ACASO). Qualquer indivíduo com alguma formação em Estatística sabe que isto exige a ação de uma causa externa (algo ou Alguém) que altere a freqüência dos eventos macro evolutivos, ou seja, um catalisador evolutivo. As evidências de qualquer fator aleatório externo como acelerador evolutivo no período Cambriano simplesmente não existem.

Quero então falar um pouco sobre o quarto ponto de vista sobre nossas origens: a Teoria do Designer (Projetista) Inteligente, também chamado Criacionismo da Terra Antiga. Como esta Teoria trata a questão dos fósseis? Quero fazer duas analogias que auxiliarão na compreensão do leitor:

1ª. analogia - Você já viu isopor se formar espontaneamente na natureza? Não? Veja como ele é fabricado no link: isopor. A probabilidade de se encontrarem as condições adequadas para que o isopor se forme aleatoriamente na natureza é muito remota, e, de fato, isto nunca aconteceu na prática (ou pelo menos nunca vi registros disso). Não tenho a menor dúvida de que se isopor fosse achado na natureza, alguém diria que ele surgiu por ACASO, mesmo que sua probabilidade de surgimento seja baixíssima. Alegar-se-ia que bilhões de anos são suficientes para justificar esta idéia. Voltando à vida real, isopor é um material sintético, ou seja, foi criado pelo homem. Em poucos segundos um homem inteligente e dotado dos recursos necessários pode obter o que “bilhões” de anos aleatoriamente não conseguiram fazer.

2ª.  análogia – Se eu apresentar uma cronologia dos automóveis desenvolvidos entre 1910 e 2010 você acredita que houve evolução? Eu acredito! É interessante que os projetos novos foram aproveitando idéias dos projetos antigos. Volta e meia alguém inova alguns itens, mas ainda aproveitando conceitos anteriores. Se você comparar carros de luxo e carros populares da mesma época, também perceberá “evoluções” consideráveis de tecnologia, pois são carros destinados a públicos diferentes com custos diferenciados. Ninguém ousa dizer que esta evolução dos carros foi obra do ACASO, pois conhecemos a história recente. Agora façamos um exercício de imaginação: se um alienígena muito inteligente viesse à Terra num futuro distante, onde os humanos estivessem extintos, visse toda nossa sucata de carros e conseguisse datá-la? Ele deveria tratar isso como evidência de que um dia houve vida inteligente na Terra ou de uma obra do acaso?

Toda evolução que não ocorre por acaso é evidência de um criador inteligente.

Em Arqueologia, avaliamos o grau de desenvolvimento de uma civilização pela evolução de sua interação com o meio circundante. Quem perscruta o espaço em busca de civilizações em outros planetas também quer achar este tipo de evidência de vida inteligente. Curiosamente, Evolucionistas ateístas, fecham os olhos para uma das grandes evidências científicas de que existe um Criador (Projetista) inteligente: os fósseis! O aumento de complexidade dos fósseis com a datação cronológica segue a mesma lógica de qualquer projetista inteligente, que aproveita partes de uma criação anterior para criar outra obra, por vezes fazendo pequenas inovações e outras vezes grandes revoluções!

Na Teoria do Designer Inteligente, existe um Criador que interfere no processo criando as condições favoráveis para que a vida se desenvolva. Ela não ignora a participação dos fenômenos naturais, pois entende que o Criador interage com sua criação, fazendo com que a última participe no processo. Por outro lado, a Teoria enxerga intervenção, propósito, ordem e beleza de um Ser inteligente por trás das coisas e seres criados. O ato de delegar parte do trabalho à criação tornou o processo longo, o que se harmoniza com a visão de uma Terra Antiga e com fósseis antigos.

Como falei antes, não quero ofender a fé de ninguém: se as pessoas crêem no ACASO, elas têm o direito de crer no que quiserem. Chamamos a isso de FÉ: é acreditar no que não vemos e não podemos provar porque não temos evidências. Como as evidências da Macro evolução ao ACASO simplesmente não existem, então seus defensores são propagadores de sua fé particular e deveriam respeitar outros pontos de vista sem zombar de ninguém. Do ponto de vista estritamente científico (olhando Ciência como um todo: Estatística, Química, Física, Arqueologia, Biologia, etc), a Teoria mais consistente de Origens na atualidade é a teoria do Designer, que pressupõe um Criador Inteligente coordenando todo o processo.

E quanto ao relato da Bíblia? É consistente com a Teoria do Designer? Isto é assunto para um outro post. Até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
BlogBlogs.Com.Br